consumo consciente - projetual

Conscientização e sustentabilidade: no que se refere aos hábitos de consumo, essas são as palavras mais famosas do século. Elas têm feito com que o consumo consciente seja uma realidade cada vez mais constante, mudando também a postura das empresas.

Muitas marcas tem visto essa nova postura como uma oportunidade de reinventar atitudes, mostrar uma imagem positiva e cativar clientes através de posturas de apoio ao meio ambiente e de responsabilidade social. Mas será que isso significa queda nas vendas?

Mais ganhos do que perdas

Não necessariamente. O conceito de consumo consciente é muitas vezes vistos por diversos empresários como “empecilho” para os negócios, mas através de campanhas inteligentes – e conscientes – é possível cativar novas classes de clientes e trazer resultados.

É preciso lembrar que, para o cliente, consumir conscientemente não quer dizer consumir menos. Antes disso, é ter em mente como aquele produto ou serviço chegou até ali e quais recursos naturais foram utilizados para isso; é saber para onde vai o que foi consumido e que tipo de prejuízo isso traz; e também conhecer as atitudes e valores da empresa responsável pelo produto.

Sabendo disso, uma empresa que procura estimular o consumo consciente não vai pensar apenas no seu produto, mas na sua postura e na de seus clientes. Além de se preocupar com a feitura e o descarte de seus produtos, a marca pode focar em ações que impactem seus clientes, mostrando a eles que se preocupa de forma ampla com a atitude daqueles que consomem.

Exemplos atuais

Um exemplo disso vem da marca Diageo, líder global na venda de bebidas alcoólicas premium, na sua divisão Brasil, Uruguai e Paraguai. Tendo em mente a conscientização cada vez mais forte em relação ao consumo do álcool, a multinacional lançou a campanha #HojeNãoDirijo para o uísque Johnnie Walker. O objetivo da campanha foi sugerir soluções que garantam o consumo do produto mas evite o risco da direção de veículos sob efeito de álcool.

Durante a campanha, que durou entre 2006 e 2013, a empresa promoveu parcerias com empresas de táxi e viu um aumento de 166% no número de clientes que recorriam aos taxistas ao invés de seus próprios carros. Ao fim da campanha, o aumento ainda permaneceu na casa dos 52%. A empresa também percebeu que o percentual de pessoas que chamavam táxis depois de consumir álcool subiu de 70% para 85%. Tudo isso sem prejudicar o consumo do produto que promovia a campanha.

A empresa também elaborou outras ações de consumo responsável, como a plataforma educacional DrinkIQ, que traz dados e orientações sobre o álcool, e a Learning For Life, que ofereceu cursos para mais de 20 mil bartenders que estimulam o consumo consciente da substância.

Atitudes semelhantes podem vir de diferentes segmentos. Empresas que trabalham com extração de recursos, por exemplo, podem tornar suas atitudes mais sustentáveis dentro do possível: fornecer informações, aulas e cursos de respeito ao meio ambiente; trabalhar com a parceria de ONGs; cultivar áreas de preservação de fauna e flora; entre outras soluções.

Essas estratégias mostram que incentivar o consumo consciente não passa necessariamente por desestimular o consumo, mas agregar outros valores a ele, exercitando a responsabilidade do consumidor. Mesmo que necessite de recursos e bastante criatividade, campanhas nesse sentido geram pontos positivos para a marca, que ficará marcada entre sua clientela.

 

Quer ficar por dentro de novas informações sobre as diferentes estratégias de marketing? Continue acompanhando os canais da Projetual. Além do blog, também temos nossa fan page e canal no Youtube. Fique ligado!

 

Por redação Projetual, com informações de Empreendedor.