Apesar de ser uma prática mais delicada, a venda de alimentos online se mostra uma tendência para os próximos anos

A praticidade que as compras feitas no ambiente online proporcionam vem atraindo cada vez mais consumidores. A facilidade fez com que adeptos da prática de consumir sem sair de casa comprem cada vez mais – e uma variedade cada vez maior – de itens através da internet. A novidade do momento são os alimentos.

A venda de alimentos online, entretanto, é uma das modalidades de negócio no comércio eletrônico mais difíceis de ter sucesso. Criar um site verdadeiramente apetitoso, digamos assim, é um desafio. Garantir que os produtos cheguem com a aparência deliciosa como apresentada nas fotos pode se tornar um pesadelo.

Sejam produtos não perecíveis, doces e salgados por encomenda, bebidas, lanches, frutas secas a granel… não faltam boas opções para os consumidores, inclusive por empresas que oferecem diversos tipos de pratos congelados. A grande dúvida é como manter uma loja do segmento, dada a complexidade logística desse tipo de material.

O setor alimentício vai de encontro ao perfil amadurecido do consumidor e tem boas perspectivas de crescimento nos próximos anos. De acordo com uma pesquisa divulgada pela Kantar Retail, até 2025 as vendas pela internet neste segmento devem atingir 3% da parcela total de vendas. Isso representa um crescimento de 30 a 40% ao ano.

Armazenamento

O armazenamento e o cuidado que você demonstra com seu produto transmite mais confiança ao consumidor. A forma como guardar a matéria-prima do negócio exige, entre diversos pontos, uma temperatura ambiente adequada. A embalagem também precisa estar de acordo com o alimento que está sendo vendido.

É importante também ficar atento à legislação pré-estabelecida por órgãos competentes. Geladeiras devem estar disponibilizadas para os produtos que necessitem de refrigeração, assim como as prateleiras e armários muito bem higienizados.

Entrega

Como se tratam de alimentos, as pessoas não estão dispostas a esperar muitos dias para receber o produto, salvo raras exceções. Ou seja, a logística precisa ser rápida e eficiente. É preciso conhecer o cronograma de produção de trás para frente, para compreender até que ponto a demanda do público pode ser atendida de forma eficaz.

Também é possível que você precise restringir a entrega para uma região específica, para que uma equipe própria possa fazer a entrega. Se o produto não for perecível ou pelo menos altamente perecível, é possível utilizar além de transportadoras o serviço comum dos Correios. Entregar o produto em perfeito estado é o passo mais importante para criar um bom vínculo entre o cliente e a marca.

Fotos atrativas

É comprovado através de estudos que nós nos sentimos atraídos por imagens de alimentos, tanto é que muitas vezes compramos algo sem ao menos estar com fome. Use isso ao seu favor para preparar fotos chamativas e bem produzidas. Um site de comércio eletrônico apetitoso é vital para o sucesso desse tipo de negócio. Contudo, é preciso tomar cuidado para que as fotografias não fiquem muito artificiais e desproporcionais ao modelo real do alimento.

Plataforma de vendas

A plataforma do e-commerce precisa ser um ambiente intuitivo para que a compra dos produtos seja a mais fácil possível. As informações precisam ser suficientes para que o cliente não tenha dúvida nenhuma desde a busca pelo produto até a finalização do pedido pelo carrinho de compras. Isso vale desde a procedência, o tempo de entrega, a forma de transporte, até a validade dos alimentos.

 

E você, já teve alguma experiência com e-commerce de alimentos? Conta pra gente nos Comentários! E continue acompanhando o blog da Projetual para mais novidades do mundo do e-commerce!