Com a Internet, os consumidores estão ficando cada vez mais empoderados. A velocidade em que uma notícia repercute faz com que as informações circulem em um ritmo em que nenhuma outra era foi visto. E isso traz algumas questões importantes: como ficam as empresas na era do cancelamento? Como manter uma boa imagem diante dos novos desafios? Estas são perguntas que têm tirado o sono de muitos empreendedores.

Apesar do medo e da ansiedade que estes temas geram, as respostas são muito simples. Hoje, mais do que nunca, as empresas precisam ter cuidado com seus posicionamentos.

Como é o consumidor na era do cancelamento?

O consumidor de hoje é muito mais crítico aos posicionamentos das marcas. A Porter Novelli realizou, recentemente, uma pesquisa para entender a jornada do cancelamento das empresas. Com isso, a empresa verificou que 72% das pessoas entrevistadas se sentem mais capacitadas para compartilharem seus pensamentos ou opiniões sobre os posicionamentos tomados pelas empresas, e deste total, 64% das pessoas usam as redes sociais, hashtags e afins para dar um feedback para as empresas canceladas. Mas diante de consumidores muito mais críticos, como ficam as empresas na era do cancelamento?

Temas que levam as empresas ao cancelamento

Ainda de acordo com a pesquisa da Porter Novelli, os principais temas que levam as empresas caírem no cancelamento são: injustiça racial, quebra de protocolos da COVID-19, imigração, mudanças climáticas e falta de responsabilidade com o meio ambiente, temas incoerentes com as pautas do Movimento LGBT+, pautas relacionadas à religião, e claro, política partidária.

Lembre-se: estes são temas delicados, é preciso tomar um cuidado extremo ao abordá-los.

Leia também: Branding Pessoal e BBB: O que a edição atual do Reality pode ensinar para a sua marca?

 

Empresas na era do cancelamento: como não ser cancelado?

Se você ainda está se perguntando: “como ficam as empresas na era do cancelamento?” Não se desespere. Nossa dica é a seguinte: mais do que nunca, as organizações precisam ser coerentes com seus posicionamentos. Afinal, uma atitude incoerente com o que ela aborda pode ser motivo para o cancelamento. Se sua marca explorar um discurso, ela deve ter ações consistentes com aquilo que está sendo dito.

O que acontece hoje, é que muitas empresas querem lucrar em cima de bandeiras e temáticas que elas não apoiam de fato. A expressão Pink Money que critica empresas e personalidades que buscam lucrar com a bandeira LGBTQ+ sem, de fato, promover ações internas de equidade para estes públicos — é um exemplo claro para isso.

Se você não quer que sua empresa caia no cancelamento e quer manter (ou construir) a boa imagem do seu negócio, lembre-se de duas palavras: coerência e consistência. Nessa nova fase, qualquer discurso sem consistência pode ser um motivo real para que os internautas caiam em cima do seu negócio.

Meu negócio foi cancelado, e agora?

Você deve se ater ao que está sendo dito por sua empresa e também a forma como este discurso é enunciado. Outra coisa super importante é ficar atento aos comportamentos dos seus colaboradores.

Se mesmo com todos estes cuidados, você cometer erros, não se desespere. Para tudo, há uma solução, você precisará ter calma e pensar na melhor forma para gerir este conflito. Na maior parte das vezes, assumir o erro pode ser uma boa redenção.

Nesta era do cancelamento, as empresas precisam ter paciência, nem sempre este cancelamento é permanente. É preciso ter calma para avaliar a situação e saber qual o melhor caminho a ser seguido.

 

Lembre-se: este é um tema complexo, é super comum ter dúvidas, mas saiba que nós podemos te ajudar. Nós somos especialistas em branding. Quer ajuda para planejar e construir a imagem da sua organização de forma positiva? Entre em contato com a gente.